segunda-feira, 4 de março de 2019

Aegea Saneamento conquista prêmio de sustentabilidade em processos

A Aegea Saneamento conquistou, na noite de quinta-feira (21), o Prêmio Eco Brasil, realizado pela Amcham, Câmara Americana de Comércio, desde 1982. O reconhecimento aconteceu na categoria Sustentabilidade em Processos.

Apenas no último ano, a empresa investiu cerca de R$ 520 milhões na ampliação de redes e no aprimoramento de padrões de eficiência dos sistemas de saneamento. Isso gera uma combinação de efeitos positivos em benefício tanto da saúde e qualidade de vida da população, aumentando o percentual de pessoas com acesso a esses serviços básicos, quanto do meio ambiente, contribuindo com a preservação de corpos hídricos, por meio do tratamento correto para o esgoto produzido.

Em Campo Grande, por exemplo, onde atua desde 2006, com a concessionária Águas Guariroba, foram investidos, em dez anos, R$ 364 milhões nos serviços de saneamento, possibilitando que a rede coletora de esgoto sextuplicasse de tamanho, atingindo uma cobertura 51% maior do que quando assumiu a operação. Tudo isso está refletido na diminuição das taxas de internação por doenças diarreicas e gastos com hospitalização, que neste mesmo período registraram, respectivamente, quedas de 91% e 77%.

O reconhecimento considera também o trabalho realizado em cada uma das concessionárias presentes em 11 estados brasileiros para estabelecer um contato próximo com as comunidades. Esta ação está a cargo do programa Afluentes, que já conduziu cerca de 9.000 encontros com diferentes lideranças e representantes dos moradores das cidades onde opera. “Um relacionamento próximo e transparente é muito importante para garantir o sucesso das ações da empresa, o Afluentes é um ponto de contato para sanar dúvidas da população, contribuir com sua educação ambiental, além de guiar o planejamento estratégico da Aegea” explica Thiago Terada, Gerente de Responsabilidade Social.

A conquista do Prêmio Eco Brasil é um importante indicador do caminho que a empresa vem trilhando, “estamos muito satisfeitos com os benefícios que estamos provendo por meio das nossas operações pelo país e contentes pelo reconhecimento que a empresa tem conquistado no mercado”, destaca Hamilton Amadeo, CEO da Aegea.

sábado, 2 de março de 2019

Preocupada com o meio ambiente a Uber Eats propõe pacto para reduzir uso de plástico

Foto: Divulgação/Uber Eats
O Uber Eats, o app da Uber que conecta você aos melhores restaurantes da cidade, lançou nesta semana um convite a seus milhares de restaurantes parceiros, em 38 cidades do país, em nome de um consumo sustentável. A plataforma está fazendo um pedido para que os estabelecimentos passem a enviar talheres plásticos descartáveis e canudinhos apenas aos clientes que precisarem. 

Hoje, a estimativa é a de que 65% dos pedidos mediados pelo Uber Eats na América Latina carreguem vários desses itens. Com a nova política, o app espera cortar esses números pela metade. 

"Nós acreditamos que, nos próximos anos, o ecossistema de entrega de comida vai se tornar mais e mais eficiente, a ponto de fazer parte da vida diária de milhões de pessoas no Brasil todo, como acontece com a Uber. Reduzir a quantidade de plásticos envolvidos no processo é mais do que a coisa certa a se fazer: é uma necessidade", diz Delon White, diretor-geral do Uber Eats no Brasil. 

Entre os participantes já estão mais de 450 estabelecimentos, incluindo grandes redes como Burger King e Vivenda do Camarão. 

Tela pedido Uber Eats
Outro participante, o empreendedor Cesar Valentini, do restaurante FiqFit, comemora a oportunidade não só de difundir práticas sustentáveis mas também de cortar custos. "Tenho um gasto fixo com descartáveis que não traz nenhum grande benefício para o cliente. Ter a chance de reduzir gastos ao mesmo tempo é excelente", disse Valentini. 

Em setembro, o Rio de Janeiro se tornou a primeira capital brasileira a punir bares e restaurantes que usam canudinhos de plástico. Em dezembro, a União Europeia aprovou um plano para banir produtos plásticos descartáveis que deve entrar em vigor nos próximos dois anos. A Comissão Europeia argumenta que pouco menos de um terço dos resíduos plásticos é reciclado, e que a maior parte deles acaba nos mares e oceanos. 

Os restaurantes parceiros que participarem da iniciativa vão passar a exibir em seus cardápios um campo em que os usuários terão de escolher entre duas alternativas: "não, quero ajudar a reduzir o consumo de plástico" e "sim, preciso de descartáveis". 

Clientes que quiserem usar a adesão a esse pacto como um critério para escolher o seu restaurante vão poder identificar todos os participantes por meio da observação: "restaurante com uso de plástico reduzido".