quarta-feira, 5 de junho de 2019

Projeto da startup Green Mining já recolheu mais de 100 toneladas de vidro

Foto: Divulgação
A evolução tecnológica, aliada à preservação do meio ambiente, tem apresentado grandes avanços, proporcionando maior eficiência das ações sustentáveis, além de garantir a redução de custos e modernização das estruturas. Pensando nisso, a startup Green Mining atua na coleta de forma eficiente e sustentável na logística reversa, com uma tecnologia que permite identificar os locais de maior geração de resíduos pós-consumo.

"A recolha dos materiais é feita de maneira ambientalmente correta, por meio de triciclos, sem emissão de gás carbônico. Todas as fases do processo são garantidas por um sistema de rastreabilidade que usa tecnologia Blockchain, criado pelos nossos sócios desenvolvedores com mais de 20 anos de experiência, permitindo localizar os principais pontos de maior geração de recicláveis para que possamos instalar uma operação de coleta eficiente", conta Rodrigo Oliveira, CEO da Green Mining.

A GREEN MINING é fruto do programa global 100+Accelerator, da cervejaria Ambev, que selecionou 21 startups em todos os continentes para resolver questões mundiais urgentes em sustentabilidade pontuadas pela companhia. Já Foram recolhidas mais de 100 toneladas de vidro em mais de 90 estabelecimentos na Vila Olímpia e Pinheiros, e enviados para reciclagem.

Um dos principais pilares da iniciativa é contratar, formalmente, ex-catadores de rua, que são capacitados pelo programa "Reciclar para Capacitar", da Amlurb, e registrar em carteira de trabalho, com todos os direitos garantidos e EPIs . "Os coletores uniformizados e empenhados retiram e levam as garrafas até o ponto de concentração. Quando se atinge um certo volume, o vidro é levado direto à fábrica de vidros da própria cervejaria Ambev, localizada no Rio de Janeiro, devolvendo o material à cadeia produtiva da empresa. Todas as informações são registradas no aplicativo por cada coletor, gerando assim, toda a rastreabilidade na cadeia de logística reversa", explica Rodrigo.

Com informações como data e local da coleta, quilos e destinação dos recicláveis, o sistema permite, também, rastrear o percurso de cada triciclo. "Com o Blockchain, garantimos a transparência da informação e, assim que iniciarmos a utilização dos triciclos elétricos, o conceito IoT será inserido em todo o processo para aprimorar o georreferenciamento", finaliza o CEO da Green Mining.

Entre os estabelecimentos dos bairros paulistas que participam do projeto, estão: Pitico, Porto Luna, Unidos da Vila, Toca do Tatu, Frangaria, Santa Julia, Sky Hall, Sutton, Padaria Vitória Régia, Dois Irmãos, Garota da Vila, Olímpia Show e Flat Travel Inn.

Exposição “Salvem a água potável no mundo” tem início no Metrô Ipiranga

Divulgação: Way Comunicações
A partir do dia 5 de junho, quem passar pela estação do Metrô Alto do Ipiranga verá a exposição do Salão Internacional de Humor Ecológico "Salvem a água potável no mundo", com 34 cartuns de desenhistas de vários países sobre a água potável no mundo, como Argentina, Chipre, Ucrânia, Cuba, Indonésia, Israel, Turquia, Irã, China, Espanha, Luxemburgo, Coreia do Sul, além do Brasil em diversos estilos e, em sua maioria, sem diálogos ou textos, mas com o intuito de impactar os milhares de usuários do metrô.

A exposição fica no local até o fim do mês de junho e depois vai para outras estações do Metrô, podendo atingir a um público de quase um milhão de pessoas que passam nas estações diariamente. 
A mostra conta com a curadoria dos cartunistas Gualberto Costa e José Alberto Lovetro (JAL), realização da Associação dos Cartunistas do Brasil e apoio do Trata Brasil - ligada à defesa do saneamento básico e recursos hídricos no Brasil -,  e do Metrô de São Paulo, que se juntaram nessa corrente de alerta porque ainda tem tempo de reverter um futuro difícil para a humanidade. 


Divulgação: Way Comunicações

Para o presidente da Associação dos Cartunistas do Brasil, cartunista JAL, essa exposição mostra a grande importância do humor gráfico e seus artistas pelo mundo que, além de seu valor artístico, é a melhor forma de passar informações essenciais para a população sobre problemas como a futura escassez de água no planeta. "O humor gráfico é uma espécie de beliscão no cérebro das pessoas para pensarem de forma leve e inteligente sobre a vida", comenta. 
Divulgação: Way Comunicações

A Associação dos Cartunistas do Brasil se uniu ao Instituto Trata Brasil que é uma Oscip – Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, formado por empresas com interesse nos avanços do saneamento básico e na proteção dos recursos hídricos do país e o Metrô de São Paulo, para que, por meio dos cartuns, todos os cidadãos do planeta recebam esse recado. No Brasil, são 35 milhões de pessoas sem acesso ao abastecimento de água e 100 milhões de brasileiros sem acesso à coleta dos esgotos.

Serviço:
Data: de 5 a 30 de junho
Horário: de funcionamento do Metrô de São Paulo: 4h40 às 24h00
Local: Estação do Metrô Alto do Ipiranga
Tel.: 0800 770 7722
Site: http://www.metro.sp.gov.br/
Entrada: Para usuários do Metrô
Curadoria: Gualberto Costa e José Alberto Lovetro (JAL)
Realização: Associação dos Cartunistas do Brasil
Apoio: Metrô de São Paulo, Trata Brasil e Salão de Humor Ecológico
Ar condicionado: sim
Acesso para deficientes: sim

quinta-feira, 25 de abril de 2019

Tubo de polietileno reduz perdas no sistema de abastecimento de água tratada

Implantação das tubulações em PEAD - Foto: Divulgação 
Para as companhias de fornecimento de água tratada, um dos maiores desafios é a redução de perdas no sistema de abastecimento. Uma das soluções encontradas e que já está sendo utilizada é a implantação das tubulações em PEAD que é considerada a principal variação do polietileno e de extrema importância entre todos os polímeros plásticos existentes. O material possui qualidades relevantes como, estanqueidade e resistência à corrosão, tem flexibilidade e é menos suscetível a danos causados por oscilações extremas, como vibração e choques. Além disso, por ser fundamental no combate às perdas, por consequência, também colabora com a preservação dos recursos hídricos e do meio ambiente.

Com o objetivo de adotar as melhores práticas em gestão de perdas, a Companhia de Abastecimento e Saneamento do Estado de São Paulo (SABESP) implantou um programa, em parceria com o governo japonês, por meio da sua Agência de Cooperação Internacional (JICA – Japan International Cooperation Agency), que tem renovado a infraestrutura existente com a substituição por tubos de PEAD, em alguns bairros da capital paulista.

Segundo o gerente do departamento de Gestão do Programa Corporativo de Redução de Perdas de Água – TOR, da Sabesp, Alex Orellana, o programa tem proporcionado a transferência de conhecimento utilizada no Japão, país que tem os sistemas de abastecimento com os menores índices de perdas do mundo. “Estão previstos dois tipos de ações para a modernização e renovação da infraestrutura de distribuição de água, ações com a implantação de novas tubulações, macro medidores, válvulas redutoras de pressão, sensores de vazão e pressão, e telemetria para a gestão dessas áreas e ações de renovação da infraestrutura, que compreendem a substituição de tubulações antigas com elevado índice de vazamentos, por novas tubulações. Neste item, escolhemos preferencialmente os tubos em PEAD, devido ao fato de ser o material mais indicado para a utilização em métodos não destrutivos, que são adotados majoritariamente nas obras do Programa de Redução de Perdas da Sabesp, e pelo entendimento de que as características construtivas das redes em PEAD (juntas soldadas e em menor quantidade, comparadas com tubos ponta e bolsa, assim como, peças e conexões soldadas) reduzem a probabilidade de futuros vazamentos, exatamente pelo fato de possuir menor quantidade de pontos vulneráveis”, explica.

Ainda, de acordo com Orellana, são 760 Km de substituições e 350 Km de implantações de tubos. As obras começaram no segundo semestre de 2017, e a previsão é que estejam concluídas no primeiro semestre de 2021, totalizando 46 obras.

Para o diretor-presidente da Associação Brasileira de Tubos Poliolefínicos e Sistemas (ABPE), Mauricio Mendonça de Oliveira, trocar a tubulação existente pelo sistema de polietileno (PEAD) é certeza de garantir as concessionárias a durabilidade do material por um período de, no mínimo, 50 anos, proporcionando eficiência e produtividade. “A associação que eu represento tem soluções para racionalizar o processo construtivo que significa de que maneira a indústria consegue se aproximar cada vez mais da obra e propor recursos que facilitem as suas execuções e a diminuição dos erros na hora da montagem. Atualmente, o polietileno representa 6% da fatia do segmento, porém, daqui uns cinco anos, deverá ser 12% e assim sucessivamente, até chegar em 25%, como acontece em países europeus e asiáticos, que utilizam o PEAD e são referências na diminuição dos índices de perdas no sistema de abastecimento de água tratada”, garante.

O programa já é realizado em alguns dos principais bairros e municípios da região metropolitana de São Paulo. A previsão para conclusão total das obras em todo o estado de São Paulo está prevista para o primeiro semestre de 2021.

Perdas de água no Brasil
Em qualquer processo de abastecimento de água, por meio de redes de distribuição, ocorrem perdas do recurso hídrico e existem dois tipos de perdas: reais, quando o volume inicial de água disponibilizado pelas operadoras é desperdiçado durante o processo de distribuição e aparentes, apesar da distribuição de água atingir o consumidor final, o produto não é cobrado adequadamente, seja por problemas técnicos na medição ou por fraude do consumidor.

O Brasil está no topo da lista dos países com maiores reservas de água. Entretanto, peca na distribuição desse bem. Segundo o Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), o índice de perdas na distribuição, a nível nacional, em 2017, foi de 38,3%.

No estado de São Paulo, ainda segundo dados do SNIS em 2017, o Índice de perdas na distribuição foi de 35,3%. Esse é o índice do estado como um todo, incluindo municípios operados e não operados pela Sabesp. O índice de perdas da área operada pela Sabesp em dezembro de 2017, foi de 30,7% e em dezembro de 2018, 30,1%. É importante observar que a Sabesp não opera em todo o estado de São Paulo, atualmente ela é responsável pelo fornecimento de água, coleta e tratamento de esgotos de 367 municípios do estado.

quarta-feira, 24 de abril de 2019

Cemig investe mais de R$ 8 milhões em ações de eficiência energética nos hospitais de Minas Gerais

A Cemig, por meio do Programa Energia Inteligente, está modernizando a iluminação, as centrais de material e esterilização, e os setores de lavanderia de hospitais públicos e filantrópicos de Minas Gerais. Em 2019, a companhia entregou 19 equipamentos de esterilização de materiais hospitalares (autoclaves), 33 secadoras de roupas e 23 focos cirúrgicos com tecnologia LED. Além da substituição dos equipamentos, o programa foi responsável, ainda, pelo retrofit de toda a iluminação de 26 hospitais públicos e filantrópicos, sendo que, considerados os investimentos nos equipamentos substituídos, as iniciativas somaram investimento superior a R$ 8 milhões. 

O Programa Energia Inteligente tem o objetivo de contribuir com a redução dos gastos com energia energética e busca promover, ainda, a adequação do orçamento dessas instituições possibilitando que os recursos economizados sejam revertidos em melhorias nas áreas de atendimento à população.

Segundo o gerente de Eficiência Energética da Cemig, Ronaldo Lucas Queiroz, as entregas proporcionam benefícios diversos e, ainda que estejam focadas na promoção do uso eficiente e redução do desperdício de energia, as ações são pensadas para oferecer conforto aos pacientes e profissionais de saúde. “No caso dos focos cirúrgicos, por exemplo, é importante lembrar que os equipamentos substituídos incluíam lâmpadas halógenas, que esquentam muito o ambiente e geram desconforto para os profissionais e pacientes que frequentam as salas de cirurgia”, explica Queiroz. 

Essa adequação de tecnologia permite condições que favorecem a clareza e a nitidez da visão dentro dos centros cirúrgicos. Além dos benefícios relacionados à substituição dos focos e iluminação, melhorias também são alcançadas com as novas autoclaves e secadoras, uma vez que os equipamentos mais modernos e eficientes garantem mais agilidade na execução dos processos da lavanderia dos hospitais. 

Nesse sentido, a eficientização das instituições beneficiadas vem se destacando pela economia e potencial para incentivar o consumo consciente. Na Santa Casa de Misericórdia de Belo Horizonte, onde a Cemig substituiu cerca de 12 mil lâmpadas em setembro passado, essa conscientização já está sendo pensada. “Economizar energia é um desafio para todo o país. Em nosso hospital, onde circulam 15 mil pessoas diariamente, não seria diferente. Esse novo momento nos dá a oportunidade de pensar ainda mais sobre o consumo consciente”, afirma o diretor-executivo da Presidência do Grupo Santa Casa, Carlos Renato Couto. 

Entregas recentes
Na semana passada, os Hospitais Sofia Feldman, de Belo Horizonte, e Nossa Senhora das Dores, de Itabira, no Leste de Minas, receberam, cada instituição, duas secadoras com capacidades para 25 e 50 quilos. “Os modelos de secadoras são desenvolvidos com tecnologias capazes de evitar o superaquecimento, característica fundamental para a conservação das roupas e, principalmente, para a segurança dos profissionais da saúde”, esclarece Queiroz.

Programa Energia Inteligente e saúde
O Programa Energia Inteligente da Cemig é regulado pela Aneel e se baseia no incentivo à mudança de hábitos, resultando na redução e eliminação do desperdício como forma de bom uso e preservação dos recursos naturais. Até o fim deste ano, as iniciativas de eficiência energética da Cemig em hospitais alcançarão investimentos superiores a R$ 18 milhões, tendo, como destaque, a instalação de, aproximadamente, 20 usinas de geração fotovoltaica em hospitais públicos e filantrópicos mineiros. 

segunda-feira, 8 de abril de 2019

Que tal limparmos o planeta? É esse o desafio que a Freelancer está propondo

A Freelancer.commaior mercado online para freelancers e crowdsourcing do mundo, lança um desafio pela internet que vale a pena ser compartilhado em benefício de um mundo melhor. Para participar, a pessoa deve encontrar um espaço em sua comunidade que precise de limpeza e colocar a mão na massa, transformando uma área suja e degradada em um local limpo.

O melhor esforço de limpeza será premiado com US$12,5 mil. Todos os outros participantes ainda receberão o selo virtual Do-Gooder, que em português significa Bom Samaritano - termo que surgiu em uma parábola bíblica e, atualmente, designa aquele que se preocupa com os outros, que age a favor do bem.

"O selo ficará no perfil do voluntário dentro da nossa plataforma, como uma forma de reconhecer a iniciativa do profissional, afinal, sabemos que muitas empresas valorizam freelancers envolvidos em ações de impacto social com esta", explica Sebastián Siseles, diretor internacional do Freelancer.com. Segundo o executivo, além de o Freelancer Clean Up the World Challenge ser um desafio sustentável, a campanha busca ter um efeito viral em prol de um planeta mais limpo, com o objetivo de ampliar a consciência das pessoas e dar a elas a noção de que cada um pode fazer a sua parte.

Para participar, o profissional interessado precisa acessar o site e postar três fotos, com imagens do antes, durante e o depois do processo de limpeza, além de fazer um post em uma rede social com a hashtag #trashtag e #freelancercleanup até o dia 10 de maio.

O resultado será divulgado por meio da plataforma da Freelancer.com. Para mais informações, acesse aqui.

quarta-feira, 3 de abril de 2019

Caminhões da Ultragaz recolhem óleo de cozinha usado nas residências de várias cidades do País

Mais de 1 milhão litros de óleo de cozinha usado já foram coletados desde 2014 pelo projeto “Junte Óleo: Ultragaz Coleta, Soya Recicla”, fruto de uma parceria entre a Ultragaz, Bunge e Instituto Triângulo.  A campanha já está estabelecida nos estados de São Paulo, Ceará, Bahia, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Pernambuco. 

A cada dois litros de óleo de cozinha usados e entregues nos caminhões da Ultragaz que circulam pelas ruas de diversas cidades do Brasil, o cidadão recebe duas barras de sabão biodegradável produzidas com parte do que é coletado. O restante é transformado em biodiesel.  “A Campanha Junte Óleo: Ultragaz Coleta e Soya Recicla vem de encontro à estratégia de Sustentabilidade da Ultragaz que visa, além de trazer benefícios à sociedade, a preservação do meio ambiente. Nossa intenção é a expansão para um maior número de estados e cidades, contemplando assim um maior número de domicílios impactados”, afirma Daniela Gentil, Gerente de Sustentabilidade da Companhia Ultragaz. 

Os veículos habilitados para coletar as doações estão equipados com faixas informativas sobre o projeto. Os vendedores entregam para os consumidores da Ultragaz folheto explicativo com todos os detalhes da parceria. Tudo que é arrecadado é encaminhado ao Instituto Triângulo que fica responsável pela produção do sabão e destinação do resíduo para a produção de biodiesel, um combustível renovável e com significativa redução de emissões. “O óleo de cozinha usado é um resíduo que não deve ser descartado no ralo ou na pia da cozinha”. Além do sabão, com 90% de biodegradabilidade, o biodiesel produzido a partir do óleo de cozinha usado é uma iniciativa sustentável, um combustível de energia renovável que reduz as emissões de gases que contribuem para o aquecimento global, detalha Eduardo Maki – Presidente do Instituto Triângulo. 

“Nosso objetivo é sensibilizar continuamente a população, conscientizando as pessoas da importância da reciclagem. Com a coleta porta a porta, facilitamos o descarte adequado do óleo e envolvemos diretamente as pessoas em seus lares, o que facilita a participação na ação.”, enfatiza Rosângela Barbosa, Responsável pelo Marketing da Bunge. 

No site do Soya Recicla é possível conhecer mais pontos de coleta e todas as localidades que participam da Campanha “Junte Óleo, Ultragaz Coleta, Soya Recicla”: www.soya.com.br/soyarecicla

quarta-feira, 27 de março de 2019

Honda Energy anuncia expansão de seu parque eólico

Honda Energy/Foto: Divulgação
A Honda Energy anunciou que irá expandir a capacidade de geração de seu parque eólico localizado em Xangri-Lá, no Rio Grande do Sul. A empresa irá construir uma torre adicional em seu parque, ampliando para dez o número de aerogeradores.

A informação foi revelada durante o evento de inauguração da segunda fábrica da Honda Automóveis no Brasil, na cidade de Itirapina, interior do estado de São Paulo.

Atualmente, o parque supre a demanda de energia elétrica da fábrica de automóveis, o Centro de Pesquisa & Desenvolvimento e os escritórios nas cidades de Sumaré e São Paulo.

A Honda Energy passa também suprir a demanda energética da nova fábrica, assegurando que todos os automóveis da marca no país sejam produzidos com energia limpa e renovável. Com a décima torre, a capacidade instalada saltará dos atuais 27,7 MW para 30 MW.

Desde a inauguração do parque, a Honda evitou a emissão de mais de 24 mil toneladas de CO2 no meio ambiente, minimizando o impacto ambiental dos processos produtivos da marca. No resultado acumulado desde janeiro de 2015, a geração de energia ultrapassa os 306 mil MWh.

Pautada pela busca de soluções focada no uso eficaz de recursos renováveis, a Honda optou pela energia eólica, que apresenta um dos menores índices de emissão de CO2 e é favorecida pela boa disponibilidade de ventos no país. Além disso, não gera resíduos e apresenta baixo impacto ambiental, assumindo, portanto, papel fundamental no desenvolvimento e construção de uma sociedade sustentável.