sexta-feira, 26 de julho de 2019

Associação Viva e Deixe Viver promove Domingueira de Histórias no Parque Trianon em São Paulo

Foto:Divulgação
As férias de julho são uma boa oportunidade para a criançada se divertir e aprender brincando. Uma dica de passeio para entretê-lás é a Domingueira de Histórias, programa gratuito promovido pela Associação Viva e Deixe Viver (Viva), que será realizado no próximo dia 28, das 10h às 12h, no Parque Trianon, na Avenida Paulista.

"Serão duas horas de contação de histórias, interatividade e muita diversão. A atividade tem grande importância no desenvolvimento infantil, pois, além de ser um ato de carinho por parte do adulto, é um reconhecimento de que a criança pode aprender muito sobre o mundo que a espera com as histórias, fábulas e contos de fadas, de modo lúdico e imaginativo", relata Valdir Cimino, fundador e presidente da Viva.

Além das narrativas dos voluntários, estão programadas brincadeiras com o jogo Eu Conto, em que as crianças ajudam a criar novas histórias, sempre recheadas de emoção e aventura. Haverá também atividades como 'Ache um Contador... Ganhe uma História'. "A proposta é termos contadores de história em locais específicos e convidar o público a encontrá-los, igual ao jogo de esconde-esconde", explica Cimino.

Como nas demais edições do evento, as crianças são convidadas a virem fantasiadas para entrarem no mundo do faz-de-conta. Na Domingueira de Histórias de 28 de julho participarão voluntários Contadores de História que atuam no Hospital Infantil Darcy Vargas e Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas da FMUSP. Em 2019, a iniciativa conta com patrocínio de Pfizer e UOL.


Serviço
Domingueira de História no Parque Trianon
Quando: domingo, 28 de julho de 2019
Horário: 10h às 12h
Local: Parque Trianon, em frente ao MASP
Evento gratuito


Sobre a Associação Viva e Deixe Viver - Fundada em 1997, pelo paulistano Valdir Cimino, a Associação Viva e Deixe Viver é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) que conta com o apoio de voluntários que se dedicam a contar histórias para crianças e adolescentes hospitalizados, visando transformar a internação hospitalar num momento mais alegre, agradável e terapêutico, além de contribuir para a humanização da saúde, causa da entidade. Hoje, além dos 1.357 fazedores e contadores de histórias voluntários, que visitam regularmente 90 hospitais em todo o Brasil, a Associação conta com o apoio das empresas Pfizer, UOL, Mahle Metal Leve, Volvo e Instituto Helena Florisbal.

Fonte: LF Comunicação Corporativa

quarta-feira, 24 de julho de 2019

Práticas de sustentabilidade da Edenred Brasil já alcançam uma rede de 130 mil empresas e 7 milhões de empregados

José Ricardo Amaro, diretor de Recursos Humanos da
Edenred Brasil
A Edenred, líder mundial em soluções transacionais para empresas, comerciantes e empregados, apresentou, nos destaques de seu Relatório Anual de 2018 do Brasil, os resultados de suas ações voltadas à sociedade, e como suas diretrizes de sustentabilidade norteiam suas práticas de negócios. Com as marcas Ticket, Ticket Log, Repom e Edenred Soluções Pré-Pagas, o grupo já alcançou uma rede de 7 milhões de empregados, mais de 130 mil empresas-clientes e 330 mil comerciantes credenciados.

"Conectamos empresas, pessoas e serviços em uma relação que é, sobretudo, de confiança. Temos consciência de que a sustentabilidade deve fazer parte de nossa proposta de valor e, por isso, estruturamos diretrizes a partir de três pilares: melhorar a vida das pessoas, preservar o meio ambiente e criar valor de forma responsável", destaca José Ricardo Amaro, Diretor de Recursos Humanos da Edenred Brasil.

Em 2018, entre as ações do pilar Pessoas, foram destaques as de promoção da qualidade de vida e saúde. Com o Edenraid, desafio mundial que conecta qualidade de vida à responsabilidade social, a empresa engajou os colaboradores durante dois meses em uma verdadeira maratona do bem. No mundo, foram 327 mil quilômetros percorridos, onde a cada 10 km trilhados a pé, de bicicleta, nadando ou correndo a Edenred doou € 1 para a Make-A-Wish® Foundation, organização sem fins lucrativos que realiza os desejos de crianças diagnosticadas com doenças graves em diversas partes do mundo.

Outra novidade no pilar de Pessoas foi destinada à melhoria do dia a dia no trabalho e na qualidade de vida dos colaboradores do grupo com o lançamento do programa Flexplace, o qual proporciona a possibilidade de realizarem suas funções fora do escritório em um ou dois dias por semana.

Entre as práticas com foco no eixo de preservação do meio ambiente, dentro do pilar Planeta, a Edenred Brasil atuou fortemente no monitoramento de seus indicadores ambientais de consumo de recursos e geração de resíduos, como no desenvolvimento de soluções como a endereçada pela marca Ticket Log, a Plataforma Compense. Trata-se de um ambiente em que os clientes podem compensar suas emissões de CO2 apoiando projetos brasileiros reconhecidos pela ONU ou certificados pela VCS (Verified Carbon Standard), estreitando seu compromisso com a sustentabilidade.

Para reforçar o pilar Progresso, que visa criar valor com responsabilidade, o grupo apostou em uma iniciativa para fortalecer a cultura de integridade que foi o Edenred Compliance Week. Em 2018, foram cinco dias de atividades com a participação de mais de 350 colaboradores que puderam conversar e debater com especialistas renomados do setor sobre temas como ética, prevenção à lavagem de dinheiro, políticas anticorrupção, ambientes regulatórios em novas tecnologias e responsabilidade corporativa.

Outras iniciativas institucionais completam o documento. Os Destaques de 2018 da Edenred Brasil pode ser consultado pelo link: bit.ly/2JrCV7q



Fonte: RPMA Comunicação

segunda-feira, 1 de julho de 2019

Casa projetada por Duda Porto para Bruno Gagliasso e Giovana Ewbank recebe selo HBC de sustentabilidade e bem-estar

Foto: Divulgação/A4&Holofote
Nesta terça, dia 02 de julho, a CASACOR SP, mais completa mostra de arquitetura, design de interiores e paisagismo das Américas recebe a equipe da Healthy Building Certificate ao lado do arquiteto Duda Porto, que conquista por seu projeto, a Casa Lite, o selo Casa Saudável. O projeto, em exposição na mostra até 04 de agosto, foi criado para o casal Bruno Gagliasso e Giovana Ewbank. A casa vai se transformar no refúgio de campo dos atores em Itaipava, na região serrana do Rio de Janeiro.

O casal estará presente na ocasião, para receber junto do arquiteto, a certificação que garante uma experiência transformacional e educacional sobre todos os aspectos da casa que podem influenciar na saúde da família, de acordo com os parâmetros analisados pelo HBC.

Selo Casa Saudável
O Healthy Building Certificate é um padrão de como criar e manter construções que melhoram a saúde e o bem-estar, com a missão de garantir espaços saudáveis para a sociedade. Para receber o Selo Casa Saudável, o projeto deverá atender a uma série de parâmetros de salubridade, em seus projetos de execução e memoriais descritivos, contemplando itens como: qualidade dos materiais a serem empregados, desenho técnico, projetos elétricos, hidráulicos, luminotécnicos, acústicos, paisagístico, sustentabilidade e de manutenção saudável. Os itens acima somarão pontos que poderão enquadrar o seu projeto para uma nova construção ou para uma renovação dentro de 3 faixas possíveis.

Casa Lite
Com arquitetura modular, a unidade apresentada durante a CASACOR SP possui 190 m² de área total e foi executada em apenas 40 dias. Ela será transportada para a casa de veraneio de Gagliasso e Ewbank. "Vamos aproveitar 70% da estrutura da Lite, fazendo uma obra limpa e sustentável. No terreno, a casa irá contar com planta estendida, agregando mais dois quartos", explica Duda Porto.

A casa Lite mostra na prática um caminho para uma construção eficiente e flexível, a partir de um sistema desenvolvido pelo profissional em 2013. Planejada, a estrutura nômade pode ser desmontada, transportada e reconstruída em qualquer lugar, sem perda de qualidade. "É uma casa para durar a vida inteira, pronta para acompanhar as mudanças que passamos durante os anos", comenta o arquiteto.

A sustentabilidade vai além da estrutura. O mínimo impacto ambiental também inspira o máximo aproveitamento dos materiais e dos recursos naturais disponíveis. A ventilação cruzada, por exemplo, norteou o desenho dos espaços para trazer mais qualidade de vida com redução no uso de energia elétrica. A ideia é integrar homem, arquitetura e o espaço ao redor.

"É a união da simplicidade e do conforto, gerando emoção, boas energias e bem-estar. É justamente a união de tudo isso traz a harmonia e alma dessa construção", conclui Duda.

CASACOR SÃO PAULO 2019

Quando?
De 28 de maio a 04 de agosto
Terça a sábado: das 12h às 21h
Domingos e feriados: das 12h às 20h

Onde?
Jockey Club de São Paulo – Avenida Lineu de Paula Machado, nº 1075 – Cidade Jardim

Ingressos:
De terça a quinta-feira:
Ingresso inteiro: R$ 64,00/ Meia entrada: R$32,00
De sexta a domingo e feriados:
Ingresso inteiro: R$ 80,00/ Meia entrada: R$40,00
Valet: R$ 40,00
Classificação: Livre
Gratuidade: Crianças até 10 anos.
As vendas dos ingressos para São Paulo estão disponíveis no site: casacor.byinti.com

terça-feira, 18 de junho de 2019

Reciclagem de óleo ganha apoio da Secretaria dos Transportes Metropolitanos de SP

Em junho, as empresas dos Transportes Metropolitanos do Estado de São Paulo passaram a veicular a campanha "Óleo pelo Futuro", realizada pela Cicla Brasil com apoio do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para estimular a reciclagem do óleo de cozinha. Serão afixados cartazes sobre o tema em estações de metrô, de trem e em terminais de ônibus metropolitanos.

Participam da ação Metrô, CPTM, EMTU, e as concessionárias ViaQuatro e ViaMobilidade, que operam, respectivamente as linhas 4-Amarela e 5-Lilás. O objetivo é alertar os 10,4 milhões passageiros transportados diariamente no sistema metropolitano sobre a importância do descarte correto do óleo vegetal no combate à contaminação da água. A campanha aborda ainda o uso do óleo reciclado na produção de biodiesel, combustível bem menos poluente do que o diesel comum, entre outros produtos.

Vídeos exibidos no circuito interno de TV dos trens e cartazes explicativos dispostos nas plataformas de embarque de estações e terminais convidarão os usuários a se cadastrarem no site www.oleopelofuturo.com.br para saber como reciclar e como se engajar na causa. Para participar, basta colocar o óleo usado em uma garrafa de plástico PET com tampa e levá-lo a um dos postos de recolhimento indicados no mapa do site da campanha.

A meta é reciclar 13 milhões de litros de óleo até 2020, tarefa que já envolve 86 cooperativas e 12 centrais de beneficiamento no Estado de São Paulo. Uma das centrais está sendo implementada por meio do Projeto, em uma parceria entre Cicla Brasil, Cooperativa YouGreen e Óleo de Soja Concórdia.

quarta-feira, 5 de junho de 2019

Projeto da startup Green Mining já recolheu mais de 100 toneladas de vidro

Foto: Divulgação
A evolução tecnológica, aliada à preservação do meio ambiente, tem apresentado grandes avanços, proporcionando maior eficiência das ações sustentáveis, além de garantir a redução de custos e modernização das estruturas. Pensando nisso, a startup Green Mining atua na coleta de forma eficiente e sustentável na logística reversa, com uma tecnologia que permite identificar os locais de maior geração de resíduos pós-consumo.

"A recolha dos materiais é feita de maneira ambientalmente correta, por meio de triciclos, sem emissão de gás carbônico. Todas as fases do processo são garantidas por um sistema de rastreabilidade que usa tecnologia Blockchain, criado pelos nossos sócios desenvolvedores com mais de 20 anos de experiência, permitindo localizar os principais pontos de maior geração de recicláveis para que possamos instalar uma operação de coleta eficiente", conta Rodrigo Oliveira, CEO da Green Mining.

A GREEN MINING é fruto do programa global 100+Accelerator, da cervejaria Ambev, que selecionou 21 startups em todos os continentes para resolver questões mundiais urgentes em sustentabilidade pontuadas pela companhia. Já Foram recolhidas mais de 100 toneladas de vidro em mais de 90 estabelecimentos na Vila Olímpia e Pinheiros, e enviados para reciclagem.

Um dos principais pilares da iniciativa é contratar, formalmente, ex-catadores de rua, que são capacitados pelo programa "Reciclar para Capacitar", da Amlurb, e registrar em carteira de trabalho, com todos os direitos garantidos e EPIs . "Os coletores uniformizados e empenhados retiram e levam as garrafas até o ponto de concentração. Quando se atinge um certo volume, o vidro é levado direto à fábrica de vidros da própria cervejaria Ambev, localizada no Rio de Janeiro, devolvendo o material à cadeia produtiva da empresa. Todas as informações são registradas no aplicativo por cada coletor, gerando assim, toda a rastreabilidade na cadeia de logística reversa", explica Rodrigo.

Com informações como data e local da coleta, quilos e destinação dos recicláveis, o sistema permite, também, rastrear o percurso de cada triciclo. "Com o Blockchain, garantimos a transparência da informação e, assim que iniciarmos a utilização dos triciclos elétricos, o conceito IoT será inserido em todo o processo para aprimorar o georreferenciamento", finaliza o CEO da Green Mining.

Entre os estabelecimentos dos bairros paulistas que participam do projeto, estão: Pitico, Porto Luna, Unidos da Vila, Toca do Tatu, Frangaria, Santa Julia, Sky Hall, Sutton, Padaria Vitória Régia, Dois Irmãos, Garota da Vila, Olímpia Show e Flat Travel Inn.

Exposição “Salvem a água potável no mundo” tem início no Metrô Ipiranga

Divulgação: Way Comunicações
A partir do dia 5 de junho, quem passar pela estação do Metrô Alto do Ipiranga verá a exposição do Salão Internacional de Humor Ecológico "Salvem a água potável no mundo", com 34 cartuns de desenhistas de vários países sobre a água potável no mundo, como Argentina, Chipre, Ucrânia, Cuba, Indonésia, Israel, Turquia, Irã, China, Espanha, Luxemburgo, Coreia do Sul, além do Brasil em diversos estilos e, em sua maioria, sem diálogos ou textos, mas com o intuito de impactar os milhares de usuários do metrô.

A exposição fica no local até o fim do mês de junho e depois vai para outras estações do Metrô, podendo atingir a um público de quase um milhão de pessoas que passam nas estações diariamente. 
A mostra conta com a curadoria dos cartunistas Gualberto Costa e José Alberto Lovetro (JAL), realização da Associação dos Cartunistas do Brasil e apoio do Trata Brasil - ligada à defesa do saneamento básico e recursos hídricos no Brasil -,  e do Metrô de São Paulo, que se juntaram nessa corrente de alerta porque ainda tem tempo de reverter um futuro difícil para a humanidade. 


Divulgação: Way Comunicações

Para o presidente da Associação dos Cartunistas do Brasil, cartunista JAL, essa exposição mostra a grande importância do humor gráfico e seus artistas pelo mundo que, além de seu valor artístico, é a melhor forma de passar informações essenciais para a população sobre problemas como a futura escassez de água no planeta. "O humor gráfico é uma espécie de beliscão no cérebro das pessoas para pensarem de forma leve e inteligente sobre a vida", comenta. 
Divulgação: Way Comunicações

A Associação dos Cartunistas do Brasil se uniu ao Instituto Trata Brasil que é uma Oscip – Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, formado por empresas com interesse nos avanços do saneamento básico e na proteção dos recursos hídricos do país e o Metrô de São Paulo, para que, por meio dos cartuns, todos os cidadãos do planeta recebam esse recado. No Brasil, são 35 milhões de pessoas sem acesso ao abastecimento de água e 100 milhões de brasileiros sem acesso à coleta dos esgotos.

Serviço:
Data: de 5 a 30 de junho
Horário: de funcionamento do Metrô de São Paulo: 4h40 às 24h00
Local: Estação do Metrô Alto do Ipiranga
Tel.: 0800 770 7722
Site: http://www.metro.sp.gov.br/
Entrada: Para usuários do Metrô
Curadoria: Gualberto Costa e José Alberto Lovetro (JAL)
Realização: Associação dos Cartunistas do Brasil
Apoio: Metrô de São Paulo, Trata Brasil e Salão de Humor Ecológico
Ar condicionado: sim
Acesso para deficientes: sim

quinta-feira, 25 de abril de 2019

Tubo de polietileno reduz perdas no sistema de abastecimento de água tratada

Implantação das tubulações em PEAD - Foto: Divulgação 
Para as companhias de fornecimento de água tratada, um dos maiores desafios é a redução de perdas no sistema de abastecimento. Uma das soluções encontradas e que já está sendo utilizada é a implantação das tubulações em PEAD que é considerada a principal variação do polietileno e de extrema importância entre todos os polímeros plásticos existentes. O material possui qualidades relevantes como, estanqueidade e resistência à corrosão, tem flexibilidade e é menos suscetível a danos causados por oscilações extremas, como vibração e choques. Além disso, por ser fundamental no combate às perdas, por consequência, também colabora com a preservação dos recursos hídricos e do meio ambiente.

Com o objetivo de adotar as melhores práticas em gestão de perdas, a Companhia de Abastecimento e Saneamento do Estado de São Paulo (SABESP) implantou um programa, em parceria com o governo japonês, por meio da sua Agência de Cooperação Internacional (JICA – Japan International Cooperation Agency), que tem renovado a infraestrutura existente com a substituição por tubos de PEAD, em alguns bairros da capital paulista.

Segundo o gerente do departamento de Gestão do Programa Corporativo de Redução de Perdas de Água – TOR, da Sabesp, Alex Orellana, o programa tem proporcionado a transferência de conhecimento utilizada no Japão, país que tem os sistemas de abastecimento com os menores índices de perdas do mundo. “Estão previstos dois tipos de ações para a modernização e renovação da infraestrutura de distribuição de água, ações com a implantação de novas tubulações, macro medidores, válvulas redutoras de pressão, sensores de vazão e pressão, e telemetria para a gestão dessas áreas e ações de renovação da infraestrutura, que compreendem a substituição de tubulações antigas com elevado índice de vazamentos, por novas tubulações. Neste item, escolhemos preferencialmente os tubos em PEAD, devido ao fato de ser o material mais indicado para a utilização em métodos não destrutivos, que são adotados majoritariamente nas obras do Programa de Redução de Perdas da Sabesp, e pelo entendimento de que as características construtivas das redes em PEAD (juntas soldadas e em menor quantidade, comparadas com tubos ponta e bolsa, assim como, peças e conexões soldadas) reduzem a probabilidade de futuros vazamentos, exatamente pelo fato de possuir menor quantidade de pontos vulneráveis”, explica.

Ainda, de acordo com Orellana, são 760 Km de substituições e 350 Km de implantações de tubos. As obras começaram no segundo semestre de 2017, e a previsão é que estejam concluídas no primeiro semestre de 2021, totalizando 46 obras.

Para o diretor-presidente da Associação Brasileira de Tubos Poliolefínicos e Sistemas (ABPE), Mauricio Mendonça de Oliveira, trocar a tubulação existente pelo sistema de polietileno (PEAD) é certeza de garantir as concessionárias a durabilidade do material por um período de, no mínimo, 50 anos, proporcionando eficiência e produtividade. “A associação que eu represento tem soluções para racionalizar o processo construtivo que significa de que maneira a indústria consegue se aproximar cada vez mais da obra e propor recursos que facilitem as suas execuções e a diminuição dos erros na hora da montagem. Atualmente, o polietileno representa 6% da fatia do segmento, porém, daqui uns cinco anos, deverá ser 12% e assim sucessivamente, até chegar em 25%, como acontece em países europeus e asiáticos, que utilizam o PEAD e são referências na diminuição dos índices de perdas no sistema de abastecimento de água tratada”, garante.

O programa já é realizado em alguns dos principais bairros e municípios da região metropolitana de São Paulo. A previsão para conclusão total das obras em todo o estado de São Paulo está prevista para o primeiro semestre de 2021.

Perdas de água no Brasil
Em qualquer processo de abastecimento de água, por meio de redes de distribuição, ocorrem perdas do recurso hídrico e existem dois tipos de perdas: reais, quando o volume inicial de água disponibilizado pelas operadoras é desperdiçado durante o processo de distribuição e aparentes, apesar da distribuição de água atingir o consumidor final, o produto não é cobrado adequadamente, seja por problemas técnicos na medição ou por fraude do consumidor.

O Brasil está no topo da lista dos países com maiores reservas de água. Entretanto, peca na distribuição desse bem. Segundo o Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), o índice de perdas na distribuição, a nível nacional, em 2017, foi de 38,3%.

No estado de São Paulo, ainda segundo dados do SNIS em 2017, o Índice de perdas na distribuição foi de 35,3%. Esse é o índice do estado como um todo, incluindo municípios operados e não operados pela Sabesp. O índice de perdas da área operada pela Sabesp em dezembro de 2017, foi de 30,7% e em dezembro de 2018, 30,1%. É importante observar que a Sabesp não opera em todo o estado de São Paulo, atualmente ela é responsável pelo fornecimento de água, coleta e tratamento de esgotos de 367 municípios do estado.